fbpx
Outros

2022: o ano do Metaverso

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Você já escutou falar de Metaverso? Essa é uma terminologia começou a se popularizar em 2021, mas é esse ano em que ele promete realmente ganhar todos os cantos da internet. 

Esse conceito começou a cair na boca do povo depois que, em 2021, o Facebook passou a ser uma “empresa de Metaverso”. 

Mas, ao contrário do que muito gente pensa, apesar de ser um conceito que recentemente começou a ser mais falado, muita gente já faz parte desse universo. 

Uma pesquisa do instituto Kantar Ibope Media revelou que 6% dos brasileiros com acesso à internet já tiveram algum tipo de experiência no Metaverso. Ou seja, mesmo as pessoas ainda não sabendo direito o que é esse espaço,  elas já estão nem nele! 

O que é Metaverso?

Mas afinal de contas, o que é esse Metaverso?

Basicamente, esse termo é utilizado para indicar algum espaço virtual que tenta “imitar” a nossa realidade, utilizando diferentes tecnologias e dispositivos digitais. Assim como nossa realidade, esse tipo de espaço virtual se baseia na coletividade, sendo compartilhado por diversas pessoas.

Ele é construído não apenas pela internet, mas, também, por tecnologias como realidade virtual” e “realidade aumentada”.

Apesar do termo ter ganhado destaque no último ano, o conceito em torno dele já é aplicado desde os anos 90. Os próprios videogames podem ser considerados uma forma de Metaverso. 

Por que empresas estão animadas com o Metaverso? 

Muitas empresas já estão apostando no Metaverso como uma maneira de se aproximar ainda mais do público-alvo de maneira inovadora. Mais do que isso, muitas estão apostando nessa tendência como uma forma de aumentar a receita. 

Isso porque, ao levarem ações e lançamentos para o mundo digital, é possível trazer novas vendas, e, ao mesmo tempo, reduzir custos. 

Para muitos empreendedores, essa estratégia ainda parece muito nebulosa. Afinal, como assim lançar coisas digitais que as pessoas não poderão usar efetivamente no mundo real. Por isso, nós trouxemos abaixo alguns exemplos de empresas que já entraram no Metaverso de cabeça. Confira.

  1. Nike e a fábrica de tênis virtual 

Começando pela Nike, que em 2021 comprou uma “fábrica de tênis virtual” RTFKT. A quantia não foi revelada pela empresa, mas provavelmente deve ter sido na casa dos milhões. 

Ela foi uma das primeiras grandes marcas a embarcar dentro desse novo conceito, juntamente com o Facebook.

Assim como em outros empreendimentos presentes no Metaverso, basicamente os usuários podem comprar produtos da marca dentro de ambientes baseados em blockchain. A fabricada que foi comprada pela marca foi criada em 2020 por Benoit Pagotto, Chris Le e Steven Vasilev.

A RTFKT cria uma série de colecionáveis ​​e memes NFT. 

  1. Lojas Renner 

As empresas brasileiras também já estão embarcando de cabeça no Metaverso. 

As Lojas Renner, por exemplo, abriram uma filial dentro do jogo Fortinite. 

Basicamente, a rede irá comercializar peças virtuais de roupa dentro do game, utilizando moedas do próprio jogo. Inclusive, para promover a novidade, a empresa organizou uma enquete onde os próprios jogadores puderam votar nas estampas favoritas. 

  1. Ralph Lauren 

Um dos motivos das marcas investirem no Metaverso é a possibilidade de criar experiências únicas, e até mesmo impossíveis na vida real, em um ambiente totalmente digital. Isso tudo com custos bem menores do que criar uma ação real.

A Rapl Lauren, percebendo todo o potencial do Metaverso, também resolveu investir nessa inovação. Basicamente a marca criou a Winter Scape, uma área de experiências divertida e inovadora dentro do jogo Roblox.

Dentro desse espaço virtual a marca comercializa a coleção 1990, e também oferece atividades para os visitantes. É possível, por exemplo, patinar no gelo. 

  1. Fortnite

O Fortnite é provavelmente um dos maiores exemplos de case de sucesso do Metaverso. O jogo da Epic Games se tornou um sucesso mundial entre os jogadores não apenas pela sua dinâmica de Battle Royale, mas por suas ações focadas nessa nova tendência de trazer experiências reais para o mundo digital. 

Dentro do game já foram promovidas diversas ações, como, por exemplo, um show com o DJ Marshmello  e até mesmo com Ariana Grande. Além disso, várias marcas já estiveram presentes dentro do game através de ações focadas no Metaverso, como, por exemplo, Balenciaga, Gucci e Burberry. 

  1. Stella Artois

Outra marca que mostrou como levar para o Metaverso as ações que já coloca em prática na vida real, ampliando assim as experiências do cliente é a Stella Artois. 

Tradicionalmente aa cerveja já patrocina corrida de cavalos na vida real. A empresa resolveu então levar o seu patrocínio para jogos digitais de corrida de cavalo, como o Zed Run, plataforma baseada em blockchain, que oferece um espaço seguro para quem deseja apostar nesse tipo de jogo. 

O futuro do marketing digital está ligado ao Metaverso? 

Com cada vez mais marcas investindo no Metaverso, e as relações com o mundo digital já consolidadas, seria o futuro do marketing digital estar também no Metaverso? A resposta é com certeza, e em um futuro bem próximo. 

A verdade é que ambos estão ligados já no conceito. Ambos focam no ambiente virtual para atrair público, bem como para criar experiências únicas para os usuários. 

Logo, com toda a certeza podemos ver ações de marketing digital sendo promovidas no Metaverso. Contudo, podemos dizer que essa é uma aplicação relativamente nova. 

Por isso, as marcas que quiserem investir de forma adequada nessa tendência precisam focar, antes de qualquer coisa, em estudar melhor as possibilidades do mundo digital, e como a empresa pode estar inserida dentro dessa realidade. 

Como nós vimos acima, com os exemplos de empesas que já investiram nesse tipo de ação, não basta criar algo virtual para os clientes. Na verdade, é preciso pensar em toda uma nova dinâmica de comercialização, divulgação e logística. 

Isso sem contar no aspecto de segurança, uma vez que a maioria das empresas que se propõem a vender dentro do Metaverso apostam no sistema de blockchain para garantir a segurança das compras. 

Então, se a sua empresa deseja investir no Metaverso, é interessante promover uma ampla pesquisa prévia para só então desenvolver ações dentro dele. 

Quer receber os conteúdos da Jazz sempre em primeira mão? Então aproveite para assinar a nossa newsletter. 

 

Growth Hacker, especialista em performance de vendas, anos dedicado ao marketing de empresas varejo e atacado. Analista de mercado com background no mercado financeiro.

Deixe um comentário

Pin It

Assine nossa newsletter

48.000 pessoas não podem estar enganadas.

Não enviamos SPAM. Seus dados estão seguros.