fbpx
Growth Hacking

Jogador número um é uma aula de growth hacking

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

guei no cinema ansioso, comprei um balde de pipoca e estava pronto para desestressar depois de um dia longo de trabalho. Esperava ver um filme de aventura assinado por Steven Spielberg e acabei tendo uma aula de nerdices, estratégias omnichannel e principalmente growth hacking.

Para começar, vamos recapitular a história dos hacks e o seu conceito. Hack é uma “manha”/ habilidade. Aquele talento ou destreza que nós da geração Y usávamos para jogar fliperama e não compartilhavamos nem com os nossos melhores amigos. Pois bem, assim como eu, meu amigos cresceram e aplicaram essas habilidades nos seus trabalhos. Hoje, através de hacks é possível integrar spotify com hubspot. E o resto é lenda pois o céu é o limite.

Um bom profissional de growth hacking consegue cruzar dados, fazer bots, gerar conteúdos e interagir com leads e usuários dos mais diversos aplicativos, redes sociais e jogos online. Plano de comunicação estratégico para integração entre plataformas virou até um produto e vem sendo vendido pelos melhores profissionais de marketing do mercado.

Voltando ao filme, vamos falar sobre a chuva de hacks.

A premissa da aventura do Spielberg é uma só: rejuvenescer as ficções científicas trazendo sacadinhas marotas de referências pop à adaptação do livro Ready Player One publicado por Ernest Cline em 2011. Com essa estratégia, Spielberg atirou onde viu e acertou também onde não viu, pois o resultado alcançado com o filme é a retratação quase verossímil do cotidiano das startups e das gigantes de tecnologia.

Aviso: a partir daqui, podem haver spoilers.

O filme traz a história de Wade, um garoto suburbano que treinou seu avatar e acabou se tornando um dos jogadores mais competentes dentro do universo expandido do jogo. Esse universo se passa em um futuro distópico, onde a maior empresa do mundo é a Oasis, uma rede social que possibilita interações “humano/virtuais“ das mais variadas possíveis. A grande sacada do fundador da empresa foi deixar easter eggs espalhados por todo ambiente virtual e morrer.

Parece sem lógica mas é isso mesmo, após o falecimento do CEO é divulgado um vídeo póstumo onde ele diz que deixou 3 chaves escondidas no algoritmo do jogo e quem achar essas chaves se tornará imediatamente o único dono de todas as ações da Oasis Corporation (conglomerado de empresas originadas a partir da caçada digital).

Dito isso, a guerra começa.

Atrás das chaves escondidas, milhares de empresas são criadas. Desde empresas onde a única função é pesquisar a vida do fundador atrás de suas referências geek às empresas que fabricam trajes que deixam a corrida virtual cada vez mais sensorial.

Nesse ponto do filme o diretor começa a mostrar o cotidiano das empresas atrás de desenvolver inteligência estratégica muitas vezes artificial para burlar as regras do jogo. E principalmente por isso, o filme é uma aula de como as estratégias de growth hoje são criadas.

Vale muito a pena assistir o filme com um olhar crítico voltado à estratégia ou vale a pena só pelo rejuvenescimento estético do Spielberg. Em qualquer um dos cenários, vá amanhã para o cinema ou seja hacker e…..

….bom você já sabe!

Em breve escrevo sobre as lições desse filme para o mercado de e-commerce. Mas essa é uma outra história. Quero saber a opinião de vocês que assistiram, Felipe Holanda, sei que você já viu, o que me diz sobre o tema?

Textos sobre growth hacking você confere aqui no meu linkedin pessoal toda semana.

Gostou? Então dá uma moral e compartilha aí com a sua galera.

Publicitário, artista, empreendedor por natureza, em busca do meu 1º unicórnio.

Deixe um comentário

Pin It

Assine nossa newsletter

48.000 pessoas não podem estar enganadas.

Não enviamos SPAM. Seus dados estão seguros.